Sobre

AnaClaudiaMeu nome : Ana Claudia Barbosa Lima
Sou ex atleta de natação, nadava 1 hora pela manhã e 3 horas a tarde fora a parte fora da água, todos os dias sem descanso, quando engravidei, tive que parar com tudo e a ansiedade e obviamente a diminuição das atividades físicas fizeram com que eu engordasse muito, fui mãe aos 21 anos e engordei 50 quilos em nove meses, porém com 21 anos, a coisa é super fácil, nove meses após o nascimento do Daniel, estava com meus 52 quilos novamente, treinando, agora não mais competindo.
Acho que foi por isso que quando comecei a engordar novamente aos 30 anos não me preocupava tanto, acreditando que emagreci uma vez e faria novamente, porém foi aí, que eu me enganei bonito, aos 35 anos estava com 102 quilos e nada de emagrecer, emagrecia e voltava, várias vezes, e como a coisa era lenta, não via resultado me sentia frustrada com muitas tentativas e muitas desistências.
Foi então que comecei a terapia, algo que era para ajudar na organização do meu trabalho, mas acabou sendo direcionado também para a saúde, afinal com o excesso de peso, eu era mais lenta, passava muito procurando roupa adequada, enfim um atraso de vida.
Deixando claro que não me enxergava tão gorda, e me achava bonita, sempre tive cintura, apesar de excesso de peso.
Foi na terapia que decidi emagrecer de uma vez por todas, foi aí que procurei o Dr Mohamed Barakat, que eu já conhecia a muito tempo e seguia nas redes sociais.
Fiz muitos exames e descobri que além de estar com hormônios completamente desregulados, minha gordura visceral era absurdamente alta.
Suplementação e alimentação foram o foco inicial do tratamento.
Como um doente em estado grave o tratamento inicial foi de choque, retiramos alérgenos, carboidratos e açúcar da alimentação e começamos a regular a quantidade de alimentos (porque muitas vezes não nos damos conta do quanto comemos mais do que deveríamos) além de incluir exercícios leves na minha rotinha.  Foram 90 dias desse tratamento de choque, onde a terapia e os snaps e redes sociais do Dr me davam força para continuar. Não foi nada fácil na primeira semana sem carbo e açúcar tinha vontade de chorar, porem depois da segunda semana acontece uma desintoxicação e fica bem mais tranquilo, fora os resultados animadores. E nesses 90 dias foram embora 22 quilos, quando começou a segunda fase de reintrodução do carbo de baixo índice glicêmico e uma liberdade maior nas calorias, ai sim começou a verdadeira redução alimentar, com refeições balanceadas e maior intensidade de exercícios, essa segunda fase, para uma pessoa como eu (ligeiramente compulsiva vai durar para sempre).
Nessa reeducação eu aprendi que retirando algumas substancias como, glúten, leite, soja e açucares, meu organismo funciona muito melhor, que o chocolate é um excelente amigo e quando do bem ajuda a emagrecer.
Hoje acordo e tomo meu café com óleo de coco o que me sacia e é um termogênico natural para nosso organismo, vou malhar todos os dias (um dia de descanso, as vezes pelo trabalho 2) mas como sou muito preguiçosa conto com a ajuda de minha parceira de treino e vizinha Camila, toda vez que perco a hora ou estou com preguiça ela bate na minha porta, me liga, toca o terror, chego a ter raiva na hora, mas depois do treino sempre agradeço.
Com a minha irmã e chef preferida Lidiane Barbosa, aprendi que não adianta apenas tirar o glúten e sim que as farinhas devem ser de baixo índice glicêmico, como amêndoa, aveia e que o leite de coco é bem mais saudável do que leite de arroz, que o açúcar é uma droga e vicia e quando ingerimos uma pequena quantidade, logo queremos mais e mais, que a proteína satisfaz mais que o carbo e que podemos comer bolo sim, mais feito do jeito certo, na hora certa e nos dias certos.

Com a psicóloga aprendi a dar atenção a refeição, sempre comer sentada a mesa, prestando atenção e fotografando tudo que eu como. E que aquela conversa de família após as refeições é melhor que aconteçam de mesa limpa. Escovar os dentes ajuda muito.
Ter sempre na bolsa um snack saudável, chocolate sem leite e sem açúcar , e um sachê de óleo de coco ajuda mto.
E assim continuo emagrecendo. Claro que em menor intensidade do que no início, na dieta mais restrita, porem hoje tenho a capacidade de analisar, sozinha, a hora de intensificar a restrição, a hora de pegar mais leve, é claro que acontecem derrapadas e o pior dessas derrapadas é a volta, por isso tento ser bem regrada.